Você sabe o que é Cirurgia Robótica?

No ano de 2008, a medicina brasileira comemorou seu progresso com a chegada da cirurgia robótica no país.

Desde então o Brasil se tornou o país que mais realiza esta intervenção em toda América Latina, de acordo com os dados da empresa Intuitive Surgical, detentora da marca de robôs.

Neste levantamento foram constatadas mais de 8 mil cirurgias robóticas realizadas só no ano passado no território nacional.

O avanço deste segmento resulta da eficiência e segurança garantidas por esta inovação tecnológica denominada Da Vinci.

Este instrumento permite incisões mais precisas e menos invasivas que auxiliam tanto na eficácia funcional quanto estética da cirurgia. 

Mas ao contrário do que muitos associam, o robô não é autônomo, ou seja, não faz a cirurgia de forma independente. Da Vinci é conduzido por um cirurgião especializado no equipamento, que além de contar com seus dispositivos de segurança, dispõe de muita precisão nos movimentos e uma ampla visão da região operada.

Segundo o especialista em Cirurgia Robótica de Cabeça e Pescoço, Drº Thiago Chulam, “a segurança e exatidão deste procedimento são sem dúvidas incomparáveis com as demais intervenções, mas outros fatores, como a redução do sangramento, cicatrizes quase imperceptíveis, menor tempo de internação e a rápida recuperação do paciente reforçam ainda mais o sucesso desta cirurgia”, destaca o cirurgião.

A tecnologia em prol da vida

Durante a cirurgia robótica, o cirurgião administra uma mesa de controle, onde visualiza pela câmera os braços do robô e interior do corpo do paciente.

O robô possui quatro braços, os quais um detém a câmera e os outros três, equipamentos como pinças, tesouras e bisturis.

Seguindo os movimentos das mãos e dedos executados pelo cirurgião, o robô assegura a exatidão dos cortes de forma minimamente invasiva, visto a sutileza e precisão dos seus instrumentos.

“A micro câmera do Da Vinci viabiliza uma visão em alta definição, tridimensional, que pode ser ampliada em até 20 vezes, atingindo regiões inacessíveis em cirurgias convencionais”, explica o cirurgião Drº Thiago Chulam.

Outra vantagem tecnológica desta cirurgia é o sensor de segurança do robô, o qual tem a capacidade de detectar algum movimento indevido do cirurgião. Caso o mesmo afaste a visão da tela de controle é emitido um alerta e bloqueado todo o processo.

Cirurgias robóticas mais realizadas

Apesar de ser desenvolvida inicialmente para procedimentos cardíacos, a cirurgia robótica pode ser feita em qualquer especialidade. No país lidera a Urologia, segundo pesquisa da Intuitive Surgical.

Ainda de acordo com o cirurgião Drº Thiago Chulam, outras áreas como a da Cirurgia Geral, Gastrocirurgia, Ginecologia, Cardíaca, Torácica e Cirurgia de Cabeça e Pescoço, esta que é sua área de atuação, também estão presentes nesta tecnologia inovadora.

  • Cirurgia Robótica na Urologia: A próstata, além de ficar em uma região de difícil acesso, também possui ao redor várias estruturas delicadas e com funções importantes, que se atingidas indevidamente podem causar incontinência urinária e impotência.

Com a precisão e sutileza do robô a possibilidade destas sequelas são reduzidas, assim como o tempo de recuperação.

  • Cirurgia Robótica em Cirurgia Geral: Todas as intervenções de laparoscopia também podem ser executadas por meio da robótica, como é o caso da ressecção de algumas hérnias, vesícula, diverticulites entre outras.
  • Cirurgia Robótica na Gastrocirurgia: Patologias no aparelho digestivo e coloproctologia como pedras nas vesícula, úlceras, gastrites, tumores benignos e malignos no esôfago, estômago, fígado, pâncreas, intestino delgado e as vias biliares, também podem ser tratadas com eficácia pela cirurgia robótica. 
  • Cirurgia Robótica na Ginecologia: Diversos tipos de cânceres ginecológicos, miomas, endometriose e histerectomia são tratados com esta modalidade. O prolapso pélvico, bexiga baixa, que ocasiona a incontinência urinária também é solucionado nesta intervenção. 
  • Cirurgia Robótica Cardíaca: Dispensando a abertura do osso esterno, a cirurgia robótica necessita apenas de pequenas incisões no tórax para atingir o coração de forma minimamente invasiva. É indicada para o tratamento da comunicação interatrial, plastia ou troca da válvula mitral ou tricúspide, retirada de tumores intracardíacos, correção de arritmias e implante da ponte de safena.
  • Cirurgia Robótica Torácica: Indicada para o tratamento do câncer de pulmão e outras patologias como metástase, nódulos, Timoma, tumores no Mediatismo e Bronquiectasia.
  • Cirurgia Robótica de Cabeça e Pescoço: Precisamente eficaz nas remoções de tumores na faringe, laringe, esvaziamentos cervicais, tireoidectomia e ressecções de glândulas submandibulares, a Cirurgia Robótica nesta especialidade vem garantindo resultados satisfatórios e brevidade nos tratamentos.

Com seus inúmeros benefícios tanto para o cirurgião, quanto para o paciente, a Cirurgia Robótica já é considerada o presente e  futuro da medicina em situações individualizadas.

Apesar da segurança dos equipamentos utilizados é essencial procurar um cirurgião habilitado para este procedimento com treinamento específico.